• Cadastre-se para receber o informativo FUMSOFT News:

 
 

> Empresas brasileiras têm dificuldade em implementar gestão de dados

Análise da pesquisa sobre Governança de Dados no Brasil foi divulgada nesta semana e indica pontos fortes e fracos das empresas nessa área

A maioria das empresas participantes da pesquisa nacional sobre Governança de Dados compreende a importância estratégica dos dados, mas tem dificuldades em implementar e realizar todas as atividades que essa área envolve. Essa foi uma das conclusões do coordenador do setor de Qualidade da Fumsoft, Carlos Barbieri, que acaba de publicar uma análise completa do estudo intitulado “O perfil das empresas brasileiras em Gestão e Governança de Dados”. A iniciativa, que contou com a participação de 76 empresas, foi realizada em 2012 pela Data Management Association (Dama) Brasil e pela Fumsoft.

“Observou-se uma ligeira diferença entre os que entendem a importância de se ter uma estratégia de dados e os que efetivamente materializam essas estratégias: 70% contra 61%”, ressalta Barbieri. Essa disparidade se mantém em relação às empresas que definem os papéis e a estrutura organizacional para tratar a gestão de dados (63% realizam esta atividade) e se amplia quanto à designação de gestores de dados (43% afirmaram fazê-lo).

Ainda de acordo com a análise feita por Barbieri, uma das maiores lacunas identificadas na Governança de Dados nas empresas brasileiras está na gestão de Dados Mestre e de Referência, ou seja, no planejamento, implementação e controle de atividades para garantir consistência de dados replicados em diferentes contextos. “Essas práticas foram as que apresentaram os menores índices de realização de atividades (variando entre 19% e 35%) e também estão dentre os maiores indicadores de desconhecimento (média de 9%). Isso sugere que essa é uma das áreas com maior potencial de crescimento dentro da gestão estratégica de dados”, ressalta o coordenador.

Outro ponto fraco na Governança de Dados nas empresas brasileiras foi a gestão de Metadados, ou seja, dos dados que descrevem dados. Uma média de 48% das respondentes não realiza as atividades relacionadas a essa área que estão descritas no corpo de conhecimento em Governança de Dados da Dama (DMBOK). “Os metadados podem ser considerados como um dos temas mais falados e menos implementados no mundo dos dados”, relata Barbieri.

O coordenador de Qualidade da Fumsoft ressalta ainda que as informações coletadas das empresas convidadas a preencher o questionário fornecem apenas uma primeira visão da Governança de Dados no Brasil e que estudos mais aprofundados poderão definir com maior exatidão o panorama atual da área no país. O artigo escrito por Barbieri pode ser acessado clicando aqui.

Para os interessados em conhecer mais sobre o DMBOK, corpo de conhecimento que embasou a pesquisa e a análise, a Fumsoft disponibiliza uma síntese comentada do documento, também elaborada por Barbieri.


Postado em: 23/01/2013