• Cadastre-se para receber o informativo FUMSOFT News:

 
 

> Empresas de software discutem estimativa de projetos

Em evento realizado pela Fumsoft, cerca de 70 profissionais e empresários do setor de TI conheceram um pouco mais sobre a Análise de Pontos de Função

Saber o custo e prazo de entrega de um projeto de software é uma condição fundamental para que as empresas desenvolvedoras possam negociar contratos. A forma mais difundida no mundo para se fazer essa estimativa é a Análise de Pontos de Função (APF). Para discutir esse tema, a Fumsoft promoveu nesta terça-feira, 29 de maio, mais uma edição do seu Intercâmbio Empresarial, evento realizado pela instituição com o objetivo de criar um ambiente para networking e informação.

fumsoft_intercambio_estimativa_pontos_funcao_corpo_site

O convidado para a palestra foi Guilherme Simões, um dos autores do livro “Análise de Pontos de Função: Medição, Estimativas e Gerenciamento de Projetos de Software”, a publicação mais vendida sobre o assunto no Brasil. No evento, ele ressaltou que a estimativa não pode ser confundida com um compromisso ou meta. “É apenas uma ferramenta para se prever o tamanho funcional do software, o que depois pode gerar estimativas de esforço, prazo e custo”, destacou.

De acordo com Simões, essa análise deve começar com uma observação sobre o histórico de outros projetos já desenvolvidos pela empresa. Por isso, é importante que seja feito um registro dessas experiências. “Com esses dados, podemos estimar com menos erros como serão os projetos futuros. No entanto, devemos considerar projetos similares”, apontou Simões, que faz uma analogia com a construção de uma casa: “Um pedreiro não gasta o mesmo tempo e o mesmo dinheiro para fazer uma varanda e um banheiro”.

Além disso, a estimativa, segundo ele, só funciona em uma empresa que tenha um mínimo de definição de processos. “Se cada projeto é feito de uma forma diferente, sem processo organizado, a Análise de Pontos de Função não vai funcionar. A empresa, nesse caso, precisa antes buscar uma ajuda de uma certificação como o MPS.Br”, explicou Simões, referindo-se ao Modelo de Melhoria de Processos do Software Brasileiro, qualificação referência no mercado nacional.

 

CLIQUE AQUI E VEJA O ÁLBUM COM TODAS AS FOTOS DO EVENTO


Postado em: 30/05/2012